Discussão de Artigo Científico – 09/05/16

DIA: 09/05/2016 (segunda-feira)

LOCAL: Sala de Seminários II – Prédio Central – FMRP

HORÁRIO: 11:00 horas

Artigo

Sem título

A doença arterial coronariana (CAD) é uma doença inflamatória crônica que tem como consequência a formação de placas de ateroma (tecido fibroso e adiposo) dentro dos vasos sanguíneos, resultando em uma elevada taxa de mortalidade e morbidade. Monócitos circulantes e macrófagos teciduais contribuem para a formação dessas placas através da diferenciação de monócitos em macrófagos e esses últimos se diferenciam em células espumosas que apresentam elevadas concentrações de lipídeos e colesterol. Nesse sentido, existem vias metabólicas celulares que são chave para regulação dos mecanismos de ativação e diferenciação de monócitos e macrófagos. Nesse contexto, tem sido demonstrado uma relevante participação da via glicolítica na coordenação da maquinaria celular para desempenhar suas funções, mecanismo conhecido como Warburg effect. A PKM2, piruvato quinase M2, é uma enzima-chave para regulação da ativação de células do sistema imunológico e metabolismo energético celular. A PKM2 está sob duas conformações: tetramérica, possuindo função de piruvato quinase, e dimérica que possui atividade de proteína quinase. Sendo assim, Shirai e colaboradores demonstraram uma relação no qual a PKM2 controla a ativação e diferenciação de monócitos e macrófagos em pacientes que são acometidos por CAD. Os pesquisadores demonstraram que em monócitos e macrófagos derivados de pacientes, o aumento da captação de glicose e fluxo glicolítico promovem a geração de espécies reativas de oxigênio (ROS) mitocondrial, que por sua vez, promovem a dimerização da PKM2 e permite a sua translocação nuclear. PKM2 nuclear possui funções de proteína quinase e nesse caso atua na fosforilação do fator de transcrição STAT3, aumentando, assim, a produção de IL-6 e IL-1β. Reduzir a glicólise e produção ROS, através da tetramerização de PKM2 pode reverter o fenótipo pró-inflamatório de macrófagos em CAD. Sendo assim, os autores concluíram que a PKM2 atua como um integrador molecular de disfunção metabólica, estresse oxidativo e inflamação do tecido representando um novo alvo terapêutico para tratamento de doença cardiovascular.

 

Referência: Tsuyoshi Shirai, Rafal R. Nazarewicz, Barbara B. Wallis, Rolando E. Yanes, Ryu Watanabe, Marc Hilhorst, Lu Tian, David G. Harrison, John C. Giacomini, Themistocles L. Assimes,2 Jörg J. Goronzy, and Cornelia M. Weyand.The glycolytic enzyme PKM2 bridges metabolic and inflammatory dysfunction in coronary artery disease. J. Exp. Med. 2016 Vol. 213 No. 3.