Discussão de Artigo Científico – 28/11

DIA: 28/11/2016 (segunda-feira)

LOCAL: Sala de seminários II – Prédio Central – FMRP

HORÁRIO: 11:00 horas

Artigo

O receptor de potencial transitório do subtipo vanilóide 1 (TRPV1) apresenta-se ancorado a membrana plasmática de diferentes tipos celulares, principalmente em neurônios sensoriais. Este receptor apresenta-se na forma de um homo-tetramero, formando um poro permeável a cátions, principalmente cálcio; pode ser ativado por diferentes estímulos, como calor nocivo (> 42°C), acidificação (pH< 6.5), lipídios bioativos e também por agentes oxidantes. Acredita-se que a presença de resíduos de cisteína dispersos sobre a superfície do receptor seja responsável pela sua sensibilidade a oxiredução. Apesar disso, os aspectos bioquímicos deste processo ainda não foram elucidados. Neste trabalho, utilizaram técnicas moleculares (SDS-PAGE), espectroscopia de massa e eletrofisiológicas (patch-clamp) para investigar como estes resíduos de cisteína influenciam na formação dos homo-tetrameros e para a funcionalidade do TRPV1. Além disso, estes parâmetros foram utilizados para comparar e identificar possíveis diferenças entre os receptores TRPV1 humano (hTRPV1) e de ratos (rTRPV1). Com isso, observaram uma maior sensibilidade a agentes oxidantes por parte do hTRPV1, relacionada com a existência de uma ponte dissulfeto entre os resíduos Cys-258 e Cys-742 de subunidades adjacentes. Isto é comprovado pelo fato de que os mutantes C258S e C742S do hTRPV1 apresentam uma menor meia vida e estabilidade, bem como uma insensibilidade a agentes oxidantes. Ainda, analise do processo de oxidação do hTRPV1 por espectroscopia de massa indica o resíduo Cys-258 como o principal sensor redox deste receptor. Desta forma, o trabalho conclui que existem diferenças da sensibilidade redox entre os receptores humano e de ratos, bem como identificar o principal sitio de sensibilidade redox em ambos os receptores e sua função estrutural.