Novo modo de pesquisar mostra diferenças da vacina do H-zóster

A vacina contra herpes-zóster é recomendada para pessoas com mais de 50 anos, mas não funciona de forma igual para todos. Apenas 37% dos idosos com mais de 70 ficam protegidos contra doença, conhecida também como cobreiro.

Em busca de entender por que a eficácia da vacina declina com a idade, mas sem hipóteses de onde partir, um grupo de pesquisadores mergulhou em milhões de dados atrás de respostas. Loucura? Pois essa nova forma de fazer ciência deu resultados surpreendentes. Exemplo: essa vacina não provoca o sistema imune igual às outras.

O imunologista Helder Nakaya, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, fez parte deste estudo internacional, que usa a abordagem chamada de “vacinologia de sistemas”. O artigo com os resultados foi publicado pela revista científica Cell: goo.gl/uouvUG

O professor diz que, no futuro, esses dados podem servir como base para testes laboratoriais que indiquem como cada pessoa vai reagir à vacinação.

Reportagem e edição: Ana Paula Chinelli e Lucca Chiavone Alves | Realização: Núcleo de Divulgação Científica da USP

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn