Discussão de Artigo Científico – 14/09/2018

DIA: 14/09/2018 (sexta-feira)

LOCAL: Sala de seminários II – Prédio Central – FMRP

HORÁRIO: 11h00 

Artigo

As células tumorais definem o perfil imune do tumor e o tipo de resposta a imunoterapia

Os tumores são compostos por clones de células malignas com características genéticas e epigenéticas distintas, mas até então não se sabia como essa heterogeneidade poderia influenciar o perfil das células imunes que infiltram no tumor e o tipo de resposta à imunoterapia. No artigo recente publicado no periódico científico Immunity, Li et al. demonstram que fatores intrínsecos das células tumorais determinam à heterogeneidade no cenário imunológico dos tumores, bem como o tipo de resposta à imunoterapia. Para isso os autores utilizaram um camundongo que desenvolve adenocarcinoma ductal pancreático espontaneamente (camundongo KPC). Inicialmente  foi detectado que os tumores dos camundongos KPC apresentavam um grande variedade quanto ao infiltrado de linfócitos, assim como observado nas amostras de tumores de pâncreas de pacientes. Para investigar os mecanismos envolvidos nesse fenômeno os autores isolaram 17 clones de células tumorais do camundongo KPC. Os diferentes clones foram então injetados em camundongos imunocompetentes e geraram tumores com diferente padrão imunológico categorizados como: alto e baixo infiltrado de linfócitos. Em seguida, os autores identificaram que os clones com baixo infiltrado de linfócitos eram resistentes a imunoterapia. A co-injeção de clones com perfil de alto e baixo infiltrado revelou que o fenótipo não-inflamado por células T é dominante e que tanto as características quantitativas como as qualitativas das células T CD8+ intratumorais determinam a resposta à imunoterapia. Análises transcriptômicas e epigenéticas dos clones com alto e baixo infiltrado de linfócitos revelaram a produção intrínseca da quimiocina CXCL1 e de Csf3 (G-CSF) como fatores determinantes do microambiente não inflamado por células T, e a deleção de CXCL1 ou Csf3 promoveu a infiltração de células T e sensibilidade a um regime combinado de imunoterapia nos clones do tipo de baixo infiltrado de linfócitos. Desta forma, esse estudo demonstrou que fatores intrínsecos das células tumorais moldam o microambiente imune do tumor e influenciam na resposta à imunoterapia.

PhD. Carlos Wagner de S. Wanderley

Artigo original: Li, J. et al. Tumor cell-intrinsic factors underlie heterogeneity of immune cell infiltration and response to immunotherapy. Immunity. https://doi.org/10.1016/j.immuni. 2018.06.006 (2018)