Coronavírus: O que você precisa saber sobre a doença.

Texto escrito pela Dra. Silvana Maria Quintana
Professora Associada em Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP

Contribuição Equipe Jovem Imunologista e CRID (Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias)

O que é o Coronavírus ou COVID-19?

O coronavírus é mais um vírus que causa infecções respiratórias (resfriados).

ENTRETANTO ele tem características que facilitam muito sua disseminação:

1. No período de incubação (tempo decorrido entre a exposição de uma pessoa ao vírus e aparecimento dos primeiros sintomas da doença) o vírus está no nosso organismo, mas não sabemos.

Neste período de incubação, que dura em torno de 5 dias, variando de 2 a 14 dias,  é possível transmitir o vírus a outras pessoas.

2. Portadores assintomáticos (pessoas que estão com o vírus, mas não apresentam sintomas quando termina o período de incubação) também podem transmitir o vírus! Cerca de 25% das pessoas contaminadas com o corona vírus NÃO apresentam NENHUM SINTOMA e 70% tem um quadro gripal brando (resfriado comum), mas TODAS podem transmitir o vírus!

O que o corona vírus causa?

– Como qualquer resfriado ou gripe, a pessoa contaminada pode apresentar febre, calafrios,  espirros, coriza (nariz escorrendo) e tosse.

– A possibilidade de apresentar quadro respiratório grave (quando há dificuldade para respirar) ocorre em 5% dos acometidos (de cada 100 pessoas que pegam o corona vírus, APENAS 5 terão um quadro grave).

– O principal grupo de risco são os idosos e pacientes com baixas defesas (transplantados, usuários de corticoides, portadores de doenças autoimunes como artrite reumatoide).

– Até este momento, as crianças e gestantes não apresentaram maior risco de adquirir o coronavírus que a população geral.

O que acontece com quem tem sintomas respiratórios graves?

– Os pacientes que evoluem com quadros respiratórios graves precisarão realizar raio X (RX) de tórax ou TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) e serão internados em unidades de terapia intensiva (UTI). Provavelmente precisarão respirar com aparelhos.

Aqui temos outro problema:  Não há equipamentos suficientes (em nenhum país do mundo) para atender tanta gente !

– As medidas orientadas pelo Ministério da Saúde do Brasil e por outros países podem parecer excessivas (quarentena, cancelamento de eventos e aglomerações, planos de contingência), mas são ADEQUADAS.

– O objetivo é diminuir a velocidade com que a epidemia se alastra, pois se um grande número de pessoas for infectado simultaneamente os serviços de saúde não serão capazes de atender a todos e o sistema de saúde entrará em colapso.

Como diz o Infectologista Alexandre Cunha: “Estas medidas drásticas devem ser tomadas para que a epidemia venha “em prestações”, de modo que o sistema de saúde suporte esse novo agravo.

– No Brasil devemos ter nos próximos meses dezenas de milhares de casos, mas com gestão adequada dos recursos, essa epidemia pode passar como várias outras pelas quais já passamos.

O que podemos fazer para colaborar e “conter” o coronavírus e esta infecção?

– Seguir orientações de fontes confiáveis: Independente da sua preferência política, o Ministério da Saúde do Brasil está fazendo um excelente trabalho.

– Não divulguem notícias se não tiverem certeza da fonte, sigam as orientações do Ministério da Saúde.

– O conhecimento científico sobre esta doença está em evolução, todos nós estamos aprendendo e alguns conceitos mudam rapidamente.

– LAVAR AS MÃOS! Ensinem seus filhos, familiares e funcionários a lavarem as mãos!

– Usar álcool gel (70%), tenham uma embalagem sempre junto de você

– EVITAR AGLOMERAÇÕES: Não é hora de passear em locais fechados e cheios de gente, ir ao aeroporto, viajar sem real necessidade, visitar outras pessoas, etc

O que devo fazer se estiver resfriado?

– Caso você, alguém da família ou conhecido esteja resfriado é importante lembrar que a maioria das pessoas irá melhorar espontaneamente, independente de ser ou não coronavírus.

Entretanto, é importante:

– Manter as orientações descritas previamente: Lavar as mãos, cobrir nariz e boca ao tossir e espirrar,

– Utilizar máscara quando em contato com outras pessoas,

– Manter repouso, hidratação e isolamento domiciliar

– Só procure os serviços de emergência/pronto socorro se:

– Apresentar falta de ar ou

– Febre alta persistente ou

– Dor ao respirar (ventilatório dependente) ou

– Piora progressiva do estado geral.

Os idosos e portadores de doenças crônicas devem ser monitorizados cuidadosamente.

O que não devo fazer?

Somos um povo bem-humorado e amoroso, mas este momento exige uma mudança no nosso comportamento.

IMPORTANTE:

– NÃO cumprimentar amigos e conhecidos com beijos e abraços. Evitem, inclusive, aperto de mão. Ninguém vai ficar chateado, estamos todos preocupados!

– Deixar os idosos em casa

– NÃO visitar recém-nascidos, pessoas submetidas a cirurgias, etc

– Controlar o hábito de colocar a mão no rosto, nos olhos e na boca.

– Não divulgar fake news, tratamentos milagrosos ou números que assombrem qualquer um. Acompanhe as notícias no site do Ministério da Saúde.

– Não faça estoque de comida/material de higiene: desabastecer o mercado só piora a situação.

– Não deixe de se vacinar para outras viroses: 1 indivíduo com coronavírus infecta 3 saudáveis, um individuo com H1N1 infecta 2 saudáveis, 1 individuo com sarampo infecta 15 NÃO VACINADOS!!!